Seguidores

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Pecador Pedágio

(Damaris Lopes)

Rua abaixo, acho o alimento,
pois tudo na vida que careço,
tem forma, endereço, preço.
Sequer, escapa sentimento.
Rígido mundo! Febre pela economia.
Mesmo sem índice, aqui nada é de graça.
Olhar, saber, mera quinquilharia,
até banco para namorar na praça.
E no amor? Ah... amor, quanto ágio!
Tanto, que o fatio e dele saio fatiado.
Meu coração, coitado, em eterno estágio,
vencido boleto, anda protestado.
Ah...amor, que não recupera,
ainda me toma devedor por presságio,
reduz sempre à infinita espera,
cobra e inflaciona seu pecador pedágio.

2 comentários:

Regina Coeli Carvalho disse...

Olá amiga
Passei por aqui para sorver um pouco da tua poesia.
bjs.

Lisete de Silvio disse...

Oi, mulher doçura!
Que lindo espelhamento vc faz juntando amor e materialidade.

Adorei!

Beijos